O que é Cross Docking? Entenda como funciona e como implementar na sua empresa

Publicado por Fábio Cunha em TMS, Transporte.

O cenário empresarial da atualidade é de extrema competição, com o público cada vez mais informado, exigente e sensível ao preço, forçando as transportadoras e operadores logísticos a buscarem soluções como o cross docking para otimizar os custos dos seus processos logísticos.

O que é cross docking

Nesse contexto, você sabe o que é cross docking e como essa estratégia pode ajudá-lo a se manter entre os melhores players do mercado? Fique tranquilo! Elaboramos este artigo com tudo o que um gestor deve saber para aderir à tendência. Continue a leitura e confira!

O que é cross docking, afinal?

A expressão de origem inglesa cross docking pode ser traduzida como cruzamento de docas. Na prática, trata-se de um sistema diferenciado para a distribuição de mercadorias, de maneira que, ao chegarem aos centros de distribuição, já exista toda uma infraestrutura para que as cargas sejam separadas e enviadas a seus destinatários imediatamente, ou no máximo em 24 horas.

Essa configuração vem ganhando bastante espaço entre os comércios que dispensam uma estrutura física mais robusta. No entanto, devido ao alcance de seus resultados positivos, também tem chamado a atenção dos variados tipos de negócios de um modo geral.
Emissor de CTe com CIOT e EDI

Como funciona o cross docking?

Em uma operação logística na modalidade cross docking, os fornecedores entregam as mercadorias em um conjunto de docas, enquanto a equipe do armazém do operador logístico ou transportadora separa e organiza as cargas de acordo com os pedidos, em seguida acomoda os lotes nos veículos de entrega para seguirem viagem para entrega nos destinos finais. Veja no diagrama abaixo:

Cabe salientar que neste tipo de operação as mercadorias geralmente saem para entrega no mesmo dia, não permanecendo mais do que 24 horas no armazém, que serve apenas como área transitória para separação e manipulação das cargas.

Quais são os principais benefícios do cross docking?

O cross docking pode deixar a entrega mais ágil, reduzir a ocorrência de furtos e eliminar a necessidade de estocagem. Abaixo, acompanhe os principais benefícios.

Agilidade na entrega

A agilidade é um dos grandes destaques da modalidade cross docking. Isso porque, como não há o armazenamento dos produtos — assim que chegam às docas, eles já são conferidos, separados e enviados para o cliente final —, o tempo de entrega é muito menor do que nos procedimentos comuns.

O controle de qualidade na prestação do serviço também ganha eficiência, uma vez que as falhas com a entrega são reduzidas. Como resultado, é possível evitar remessas de produtos errados ou com defeito.

Redução de furtos

Um dos contratempos que acontecem com frequência para quem trabalha com a logística de estoque é que as mercadorias ficam mais expostas aos furtos. Tais circunstâncias geram não somente prejuízos financeiros, mas também refletem no atendimento ao cliente.

Nesse contexto, o sistema de cross docking é uma excelente alternativa para reduzir significativamente as possibilidades de furtos no centro de distribuição, pois o tempo de permanência dos itens por ali é o mínimo.

Melhor aproveitamento dos veículos de entrega

Devido a consolidação de cargas em rotas comuns, é possível fazer um melhor aproveitamento do espaço útil nos veículos de entregas que se destinam a atender cada localidade, o que se traduz em redução de custos e melhora da lucratividade da transportadora.

Redução de custo logístico

O primeiro reflexo do cross docking na otimização de custos diz respeito à eliminação do estoque. Nesse caso, haverá uma área específica para a separação de pedidos, mas não é necessário ter um local para armazenar os produtos. Isso naturalmente implica em menos despesas.

Por se tratar de uma dinâmica de trabalho mais enxuta, as operações ganham agilidade e os custos operacionais se reduzem. Uma vez associada a ferramentas tecnológicas, tais como sistemas TMS, leitura de etiquetas de código de barras, ela proporciona um ganho significativo de economia e produtividade — tudo acontece de forma ágil e utilizando menos recursos.

Eliminação da necessidade de estocagem

Como mencionado, a incorporação do cross docking na logística de uma empresa implica na eliminação da necessidade de estoque. As mercadorias apenas permanecem no centro de distribuição por um tempo mínimo necessário para a conferência, separação, preparação dos lotes para cada rota e o envio.

Quais são os tipos mais comuns de cross docking?

O cross docking se apresenta em três tipos mais comuns. A seguir, veja quais são.

Movimentação contínua

Trata-se da espécie mais tradicional do cross docking, na qual o fornecedor, transportadora ou operador logístico recebe os produtos e os envia aos destinatários o mais rápido possível. A prática tem por objetivo evitar qualquer acúmulo em estoque.

Movimentação consolidada ou híbrida

O cross docking de movimentação consolidada ou híbrida é a modalidade que intercala a distribuição e o envio imediato de parte da carga com o direcionamento de alguns itens ao estoque. O objetivo é que sejam combinados a outros produtos que completam o pedido do cliente. Enfim, trata-se de quando nem todas as mercadorias chegam ao mesmo tempo e se espera para fazer uma única remessa.

Movimento de distribuição

Essa categoria normalmente é utilizada no modelo B2B (business-to-business), ou seja, entre empresas. A ideia é separar os pedidos de um único cliente, que tenham volume suficiente para preencher a capacidade do veículo — as chamadas cargas FTL (Full Truck Load).

Como implementar o cross docking?

A implementação do sistema cross docking deve ter como base o cumprimento rígido dos prazos informados aos destinatários das cargas, assim como o desenho e planejamento prévio dos processos operacionais. Para que a estratégia seja bem-sucedida, acima de tudo é preciso que o conjunto de ações planejadas funcione em sincronia. Por isso, é importante considerar os seguintes fatores:

  • o investimento em um software de gestão de transportes (TMS) adequado para este tipo de operação;
  • uma boa comunicação interna e externa;
  • o planejamento do processo logístico;
  • a qualificação do time de colaboradores;
  • a busca contínua por um atendimento de excelência ao cliente;
  • as negociações bem feitas com os fornecedores e parceiros de entregas.

Logo, colocar o mecanismo em prática requer o alinhamento das ferramentas certas com os processos de trabalho bem definidos e a capacitação de cada profissional. Além disso, é necessário conscientizá-los quanto à correta alimentação e utilização do sistema e cumprimento dos procedimentos padrão em cada função.

Com a apoio de um bom software TMS, por exemplo, gestor e colaboradores têm maior facilidade e domínio ao planejarem suas operações, pois sabem quando o produto será recebido, qual é seu destino e de que forma ocorrerá a distribuição. Mas, se nem todos estão habilitados para lidar com o recurso, o desempenho é fatalmente comprometido, já que a atividade fica sujeita a falhas no processo logístico.

Em meio à acirrada concorrência do mercado e à constante necessidade de otimizar processos e recursos, entender o que é cross docking e como implementá-lo da maneira correta na sua empresa consiste em um passo importante para conquistar melhores resultados. Os custos serão menores e a rapidez e o padrão de qualidade, maiores. Isso é sinônimo de clientes satisfeitos e crescimento das margens de lucros.
Emissor de CTe com CIOT e EDI
Gostou do artigo? Agora que você já conheceu as vantagens do cross docking para o seu negócio, aproveite para assinar a nossa newsletter e receber diretamente no seu e-mail mais dicas valiosas!

Avalie este artigo


Veja também

Deixar comentários